OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

quinta-feira, 10 de março de 2016

DE ONDE VEM NOSSO ALIMENTO - Por Vicente Almeida

Para a sobrevivência do corpo, o reabastecimento diário com substancias nutricional é indispensável. Há tempos venho meditando sobre a nossa alimentação, e os caminhos preparatórios e necessários a sua produção.

Por enquanto esqueçamos os oceanos, mares, rios e lagos e falemos um pouco da produção na superfície da terra.

Normalmente, a ideia, é a de que compramos e ingerimos todo e qualquer alimento que venhamos a necessitar, além daqueles que cultivamos de forma caseira, e ponto final!

Mas, ai está o terrível engano. Para podermos dispor de todo e qualquer alimento que consumimos, mesmo que fôssemos abundantemente ricos, precisamos observar que antes de o adquirirmos, houve a concorrência de milhares de pequenos e devotados trabalhadores visíveis e invisíveis, exercendo harmonicamente e laboriosamente suas funções destinadas pelo Criador. Tarefa esta, iniciada milênios antes de existirmos. – Você já pensou nisto? 

Por mais poderosos que fôssemos e com todos os recursos à nossa disposição, não seríamos capazes de sozinhos produzirmos o nosso alimento diário. Poderemos apenas, dar o toque final. Nem mesmo um fruto capturado no pé, resulta do trabalho de uma única pessoa, ou de um único momento.

Gostaria de me fazer entender:

A cadeia produtiva do alimento tem início centenas ou milhares de anos antes da sua colheita, com o incansável trabalho de um número sem conta de pequenos organismos aparentemente rudimentares, habitantes do nosso subsolo, além daqueles, invisíveis aos olhos humanos, mas que convivem conosco na superfície, e pouca importância damos por que não os observamos trabalhando - Exceção para os estudiosos do tempo e da terra.

São exatamente essas criaturas, que revolvendo a terra, ou decompondo resíduos orgânicos, dão os primeiros passos para a fertilização do solo. E nessa transformação, gera os nutrientes necessários a germinação das sementes, que irão se transformar em produtos alimentícios como: cereais, frutos e legumes.

Essas criaturas, não assalariadas, trabalham sem cessar em benefício dos demais seres vivos, inclusive o ser humano, para que cada um sobreviva o tempo necessário aqui no planeta. Nunca se rebelam, em alguns casos quando agredidas tentam se defender e o ser humano vê este ato como um revide.

Vejamos alguns:

AS BACTÉRIAS. Muitos acham que elas só servem para causar doenças, mas a natureza se serve desses seres, que juntamente com os fungos, realizam o processo de decomposição transformando a matéria orgânica morta, e devolvendo-a ao solo sob forma de matéria inorgânica. Assim se efetua a reciclagem, melhorando as propriedades e o rendimento do solo.

AS MINHOCAS são importantíssimas no campo da agricultura, com grande influência no aumento da fertilidade do solo, e conseqüentemente, na produtividade agrícola, devido principalmente à sua capacidade de transformar o nitrogênio de forma assimilável pelas plantas, além de melhorar as propriedades físicas, químicas e biológicas do solo, perfura-o e, à medida que cava através do solo, vai formando galerias subterrâneas e descompactando-o, propiciando a renovação do ar e a drenagem. Isso permite que ocorram atividades químicas em ritmo mais acelerado. Além disso, as minhocas comem terra, e à medida que a terra passa pelo seu sistema digestivo, vários materiais são digeridos ou decompostos em formas mais simples.

AS FORMIGAS também contribuem para a fertilização do solo, pela renovação do substrato orgânico - nutriente que serve de base para o desenvolvimento de um organismo. Em áreas naturais elas fazem parte do equilíbrio ecológico, mas, em ambientes alterados pelo homem, elas agem como verdadeiras pragas, - Infelizmente!

Mesmo com o trabalho continuo desses e muitos outros organismos, o solo ainda não estaria apto a produzir alimentos. A água, o ar, a lua e o sol são de fundamental importância para que a vida se manifeste nos reinos da natureza, e vida em abundancia.

Por último temos o trabalho humano que, no decorrer do tempo e de acordo com as necessidades, desenvolve as mais variadas técnicas de preparo da terra, plantio e colheita, ampliando a capacidade produtiva, minimizando a escassez. E quando o solo se torna improdutivo, utiliza fertilizantes naturais ou artificiais.

Nossa refeição diária, não é obtida por que possuímos dinheiro para pagar o que quisermos. Quem pensa assim comete um tremendo engano. Poderíamos ter todo o dinheiro, mas, morreríamos de fome em três tempos, não fosse a distribuição natural das tarefas atribuídas pelo Criador a cada pequeno organismo, o qual  cumpre fielmente a sua finalidade indefinidamente. 

Observemos que, mesmo sem trabalhar, as pessoas de alguma forma recebem diariamente a parcela necessária a sua subsistência, salvo quando algum pretenso poderoso da terra inviabiliza essa chance. Deus, nosso criador sabe que o pão nosso de cada dia é indispensável, então proporciona todos os meios para que haja alimento em abundancia. “ISTO É AMOR”.

muito o que pensar para compreender! Não vale falar sem entender um pouco.

Todos conhecem a ABELHA SOCIAL – aquela européia, a que chamamos de italiana, que trabalha sem cessar, e lhe é surrupiado quase toda a sua produção, que em seguida, é engarrafada e levada ao comércio. E neste processo de simples coleta, o homem acha que trabalhou. Será?

Pois bem: Para as abelhas produzirem um litro de mel, um dos alimentos mais completos e nutritivos, além dos resultados medicinais inimagináveis, elas visitam mais de um milhão de flores, e percorrem aproximadamente 350.000 quilômetros, isto equivale a mais de dez voltas em torno da terra. Nessa viagem planetária elas vão polinizando todas as plantas para que produzam mais flores e frutos. São pois, os mais importantes polinizadores da terra. As pessoas compram esse mesmo litro de mel, por cerca de R$. 20,00, em qualquer mercado ou feira livre e ao colocar uma colher desse mel na boca, não pensam na trabalheira desses pequenos e benfazejos insetos. Não lembram si quer de agradecer a Deus por tudo que recebem o que é uma pena! Aliás, não se lembram de agradecer quase nada, estão sempre muito preocupados em aumentar o patrimônio e se divertir. Usufruem e acham que merecem tudo isto.

Então hoje. Somente hoje, sugiro que ao chegar a sua sala de refeições, sentar e preparar o seu prato, pense em todos aqueles que contribuíram com uma parcela do seu trabalho para produzir cada bocado que está consumindo. 

Vamos ampliar nossos pensamentos, olhando o prato que estamos usando, os talheres, os copos, a mesa, as cadeiras, tudo está bem disposto para que sejamos bem servidos. Elevemos nosso olhar em volta: geladeira, fogão, armários, liquidificador, pia, micro-ondas, e tudo o mais.

Agora pensemos: Além daqueles que sem saber trabalharam à terra tornando-a fértil para produzir o alimento, outros milhares contribuíram com o seu trabalho, para que nós tivéssemos todo esse conforto ao nosso redor. Cada peça móvel: da sala de estar ao quarto, da cozinha à dispensa, da garagem ao jardim ou ao pomar.

Entretanto repito mais uma vez, se não fosse a participação laboral de muitos, tornando todos esses bens de uso e consumo possíveis, nosso dinheiro de nada valeria. Então por tudo isto, nada melhor do que darmos Graças a Deus, voltando para Ele nossos pensamentos, mesmo que por um momento e dizer: “Senhor, Muito Obrigado Por Tudo Que Recebemos!”

Bom... Não estamos aqui para questionar o ponto de vista de cada um. Mas gostaríamos que aprendêssemos a agradecer a Deus por tudo que recebemos. Afinal ele nos deu vida e a missão de desbravar a terra, transformando-a em mundo de paz e de amor, e para isto, tudo que precisamos esteve e estará sempre a nossa disposição na natureza.

Apesar dos nossos erros, nossas crenças e descrenças; Apesar das divergências religiosas; Apesar das nossas atitudes muitas vezes contrárias a sua vontade; Apesar de nosso desamor, Ele estará sempre no final da nossa jornada, de braços abertos para nos receber quando houvermos aprendido a lição.
Devemos aprender que Deus, não é Deus de uma religião ou de um conceito religioso, Ele é Deus e Senhor de toda a sua criação e prevê para prover. Tudo que para nós, simples mortais, parece um erro, está plenamente de acordo com seus planos e a sua vontade.

Desejo a todos uma FELIZ PÁSCOA.

Escrito por Vicente Almeida
em 24/08/2012