OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

domingo, 15 de junho de 2014

A DIVINA COMÉDIA - INFERNO - CANTO XXVIII - Por Vicente Almeida

Vala dos separatistas
Espíritos de Maomé e Bertran de Born

Quem poderia, mesmo fazendo uso da melhor prosa, narrar as cenas de sangue e das feridas, que eu vi naquele triste lugar? Todas as línguas, por certo, estariam falidas, pois nossa memória e nosso vocabulário não são suficientes para compreender tamanha dor. Nem nos campos de batalha das piores guerras se viu tantos corpos estraçalhados, com deformações e feridas tão terríveis, quanto os que povoavam aquela nona vala.

Próximo a nós estava um condenado com as entranhas à vista, rasgado do nariz à garganta e com os intestinos pendurados entre as pernas. Eu o olhava, hesitante, quando ele, me olhando de volta, rasgou o peito com as mãos dizendo:

- Vês, tu, como eu me maltrato? Vês como Maomé e Ali estão desfeitos, gemendo, e todos esses semeadores de discórdias e heresias? Todos aqui são continuamente rasgados, cruelmente, por um diabo que aqui nos tortura eternamente. Em vão saram as feridas, pois logo ele volta e nos dilacera outra vez! - depois me perguntou - E tu, quem és, tentando retardar a tua pena aí sobre a ponte?
 
- Nem morte ainda o alcançou, nem culpa ordena que ele sofra aqui - respondeu Virgílio -, mas para que ele possa ter esta experiência, eu, que estou morto, devo guiá-lo por todo este inferno de giro em giro. Isto é tão verdadeiro como a minha presença aqui.

Quando ouviram essas palavras, mais de cem almas se aproximaram para me ver, quase esquecendo por um momento o seu intenso sofrimento.

- Diga ao Frei Dolcino - falou Maomé - que ele se abasteça de mantimentos e não saia do seu refúgio nas montanhas, se ele não tiver pressa em me encontrar. Se não tomar esses cuidados, o bispo de Novarra certamente o vencerá!

Depois de falar, Maomé se levantou e saiu. Veio então outro que tinha a garganta furada, o nariz totalmente decepado e apenas uma orelha inteira. Ele se separou do grupo e abriu sua goela vermelha, que falou:
- Ó tu que vi na sua terra latina, lembra-te de Pier de Medicina quando voltares, e avisa a Guido e Angiolello que, se nossa visão é certa, eles serão arrancados do seu barco e afogados perto de Cattólica, por traição de um tirano cruel. Aquele traidor, que só vê por um olho, reina sobre uma cidade que alguém aqui deseja nunca ter visto.

- Quem é aquele que nunca deseja ter visto a cidade onde reina o tirano? - perguntei.

- É este aqui. Mas ele não fala nada! - disse Pier, mostrando um companheiro calado e assustado, cuja boca ele abriu com a mão. - Este homem, no exílio, acabou com as dúvidas de César quando lhe disse: "O homem preparado, quando hesita, perde."

Oh, como ele parecia assustado, com a língua presa na garganta, Cúrio, que antes fora tão grande orador.

Um outro, com ambas mãos truncadas, levantou os cotos no ar, espalhando sangue sobre seu rosto, e gritou:

- Recorda o pobre Mosca, que disse "o que está feito, está feito" que para os toscanos foi semente tosca!

- E para a tua casta será a morte! - respondi-lhe, irritado, e ele, com mais essa ferida, retirou-se.

Continuei a observar a multidão quando vi um corpo que caminhava sem cabeça. Ele segurava sua cabeça pelos cabelos, balançando-a como lanterna. Quando chegou junto da ponte, ergueu alto o braço que a segurava, para que sua fala pudéssemos ouvir melhor:
Com a cabeça na mão está Bertrand de Born - Ilustração de Gustave Doré Seculo XIX
- Sou Bertran de Bórnio - gritou -, e sofro esta pena monstruosa por ter instigado o jovem rei contra seu pai. Eu pus o pai contra o filho e por ter separado aqueles antes tão unidos, tive o meu cérebro separado do meu tronco. E assim, em mim tu vês, o perfeito contrapasso.

No Canto XXIX veremos a vala dos falsários e alquimistas.
Vicente Almeida
15/06/2014

Um comentário:

  1. É...

    Os semeadores de discórdias se dividem em três tipos: (1) criadores de cismas religiosos (Maomé, Ali), (2) instigadores de conflitos sociais (Caio Cúrio, Pier da Medicina), e (3) semeadores de desunião familiar (Bertran de Born e Mosca). O demônio que os pune causa mutilações em partes do corpo representativas do tipo de discórdia provocada.

    POR QUE MAOMÉ ESTÁ NESTA VALA?

    Na época em que viveu Dante, eram freqüentes os conflitos entre cristãos e muçulmanos. Ele sentia os os horrores das invasões dos grupos islâmicos sobre as nações cristãs. Assim sendo, dentro dos conceitos religiosos da idade média, considera Maomé um cristão dissidente, que, por vaidade, teria separado grande parcela da humanidade da verdadeira igreja de Cristo. Naquele tempo a hostilidade religiosa com os dissidentes resultava em grandiosas batalhas, como as cruzadas.

    Para quem não sabe ainda, o profeta Maomé (570-632) foi o fundador do Islã, cujos ensinamentos proféticos, que abrangiam desde princípios políticos até sociais e religiosos, se tornaram a base da civilização islâmica e tiveram grande influência na história mundial.

    Maomé formalizou suas revelações no Corão, que se tornou livro sagrado. Afirmou ser o último dos profetas e que o Corão era a última das revelações. Por pregar contra as tradições tribais, Maomé foi várias vezes perseguido, tendo que se refugiar em Medina.

    O início do seu exílio marca o início do calendário islâmico. Em Medina, ele estabeleceu o império islâmico, implementando amplas reformas sociais, porém dando autonomia aos judeus e cristãos.

    Bertran de Born: Famoso poeta inglês, foi um dos maiores trovadores provençais. Ele é acusado de ter semeado a discórdia entre o rei Henrique II (Henry) da Inglaterra e o seu filho, o príncipe de mesmo nome. O contrapasso de Bertran de Born é um dos mais nítidos da Comédia. O efeito do pecado foi a separação de pai e filho. O contrapasso é a separação de cabeça e tronco. Vários outros círculos do inferno apresentam contrapassos, porém nem todos são tão evidentes quanto este.

    Estamos na reta final da nossa jornada simbólica pelos tenebrosos círculos do inferno. E quer saber? Tô doido para concluir esta publicação que, embora seja apenas um poema, não posso esquecer sua visão profética do contrapasso, ou seja, o reflexo, melhor ainda, a consequência, a punição futura dos nossos atos criminosos praticados em vida. Você entendeu? Não? Então deixa como está e veja os próximos cantos até o XXXIV - último.

    Vicente Almeida

    ResponderExcluir