OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

domingo, 3 de março de 2013

O RETRATO - Por Vicente Almeida

O RETRATO

Símbolo De um passado que o tempo não apagou, apesar de longe, em um instante se torna presente. Lembranças eternas de quem me amou com todas as suas forças, e em todos os momentos, sagrando-me campeão na batalha pela vida.

Quando te volvo o olhar é como se estivesse vivendo aqueles meigos momentos de ternura e sinceridade, só encontrados em ti.

Ah você que imperturbável me olha sem nada dizer, e ao mesmo tempo dizendo tudo. Você que neste momento me dá inspiração para escrever estas linhas. Você foi magnânimo, sempre generoso e pronto a me ensinar e me estimular a corrigir meus deslizes.

Volvo ao passado em tempo menor que um piscar de olhos e ouço tua voz com aquele som característico, suave e inconfundível dentre os milhões de vozes, sempre pronto a ensinar...

... E continuo te olhando para destacar o teu amável sorriso, a tua sinceridade, a tua simplicidade...

... Sabe! Gostaria de ficar contigo em todos os momentos... Queria permanecer aqui a teu lado, mas, infelizmente tenho que te deixar. Amanhã voltarei e conversaremos mais um pouco e te contarei as minhas realizações... Também falarei das decepções se as tive.

Agora te devolvo a tribuna de honra e como prometi, amanhã estarei aqui outra vez contigo...

... Mas, se eu não vier amanhã, nem depois de amanhã nem nunca mais para falar contigo, certamente se me amarem como ter amo, me colocarão ao teu lado nesta galeria, pois terei morrido e de nós dois restará somente à lembrança viva de um RETRATO.

Mas PAPAI, um dia nossas fotos serão esquecidas em um canto qualquer, perdidas, ou retiradas da parede por não combinar com o novo mobiliário. Pode ser também que as pessoas que se lembravam da gente tenham partido, nada mais restando do que fomos e o nosso passado se perderá na noite dos tempos, assim como este texto que ora concluo.
*************************************
Escrevi este texto em 29/05/1978. Meu pai veio a falecer somente 22 anos depois. Naquele tempo eu já estava casado e residia a uns quatro quilômetros da casa dele. De repente numa noite qualquer comecei a imaginar como seria para mim a sua ausência  o que resultou neste escrito. Guardei e agora transcrevo aqui. Tudo que escrevi expressa o meu mais puro sentimento em relação a ele e ainda hoje mentalizo sua imagem várias vezes por dia. Outras vezes sonho com ele. A saudade hoje tem a mesma intensidade daquele tempo.

Escrito por Vicente Almeida
03/03/2013

4 comentários:

  1. Vicente:

    Não é o tempo que faz a gente esquecer os entes queridos. A lembrança que temos permanece em nossos corações. O passado nos traz saudades e nos acompanha a cada dia. Ontem mesmo lembrei do meu pai e externei, postando com carinho uma foto dele comemorando seus 118 anos se vivo fosse.
    É isso amigo.
    Abraços:
    Fideralina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu pai foi um agricultor, portador de imensa sabedoria e em cada oportunidade, me transmitia seus conhecimentos do cotidiano. O que ele mais acentuava era o respeito pelo nosso semelhante, independente da idade.

      Nos dias correntes percebo o quanto ele representa em minha vida e o quanto me preparou para viver o hoje.

      Tenho saudades, muitas saudades, imensas saudades, mas estou feliz por que sei que ele cumpriu sua missão e certamente hoje usufrui do que semeou. Eramos treze filhos.

      Excluir
    2. Vicente, os nossos pais tinham realmente uma sabedoria por dom, conhecimento de causa, muita vivência e bondade no coração. Transmitia esses saberes com severidade e seriedade "sem perder a ternura".
      Quero envelhecer como meu pai, uma tranquilidade inesgotável!
      Tudo para ele estava bom...
      Um abraço, amigo!

      Excluir
  2. É...

    Artemísia:

    Você tem toda razão! Nossos pais eram severos, sérios e ternos, ensinavam com carinho fornecendo como exemplo suas próprias atitudes.

    Ninguém pode imaginar a saudade que sinto dos meus. Eu não poderia descrever aqui a minha vida ao lado deles. Era ele na agricultura e minha mãe a beira de um forno fazendo bolos para vender e completar o necessário para nosso sustento.

    Naquele tempo, aos meus oito anos, não era possível imaginar a trabalheira deles para educar, vestir e alimentar treze filhos.

    Depois que conquistamos independência econômica passamos a ajudá-los e nada mais lhes faltou até seus últimos dias.

    Me sinto honrado em ter sido filho deles e todos os dias, mais de uma vez agradeço a Deus por isto.

    ResponderExcluir