OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

sexta-feira, 30 de maio de 2014

A DIVINA COMÉDIA - INFERNO - CANTO XXV - POR Vicente Almeida

Transformação em répteis

No final de seu discurso, o ladrão fechou a mão em punho deixando apenas o dedo médio, ergueu-a para o alto e gritou:

- Toma, Deus, olha, isto aqui é pra você!

E dali em diante, todas as serpentes se tornaram minhas amigas, pois uma chegou e se enrolou no seu pescoço, impedindo que ele falasse. Depois veio outra e se enrolou com tanta força nos seus braços que ele não pôde mais sequer se mexer.

Almas de ladrões envolvidas por serpentes. Ilustração Gustave Doré
Ah! Pistóia, Pistóia, por que não te incineras de uma vez por todas, pois nem teus fundadores fizeram tanto mal quanto agora fazes! Eu achava que não veria mais, neste inferno escuro, figura mais orgulhosa que aquele que morreu nos muros de Tebas.

Sem dizer mais nada ele fugiu. Pouco depois, apareceu um centauro, que o procurava. Estava totalmente coberto de serpentes. No ombro, atrás da nuca, um dragão com suas asas abertas, cuspia fogo em quem se aproximasse.

- Este que tu vês é Caco - apontou-me o mestre -, filho de Vulcano que aqui cumpre pena por ter roubado o rebanho do seu vizinho, Hércules, que foi quem depois o matou com cem golpes de clava, dos quais não sentiu talvez mais que dez.

Enquanto Caco passava, três espíritos se aproximaram e nos perguntaram:

- Quem sois vós?

Nossa conversa então se interrompeu. Eu não os conhecia, mas cheguei a ouvir alguém do grupo perguntar:

- Onde será que está Cianfa?

Enquanto eu os olhava, sem nada dizer, de repente uma serpente com seis patas se arremessou sobre um deles, envolvendo-o totalmente. Com as patas do meio apertava seu abdômen, com as da frente segurava seus braços e com as de trás, suas pernas. Os dentes afiados ela afundava na sua face e sua cauda passava no meio das pernas do ladrão, perfurando-o, atravessando seus rins e saindo reta pelo ventre. Entrelaçava-se tão firmemente no pecador que os dois - alma e réptil - se fundiam como se fossem cera. Nem um nem o outro pareciam ser mais o que eram. Um dos seus companheiros então gritou:
Almas Répteis - répteis almas - Ilustração Giovenni Stradano
- Ó Agnel, como mudaste! Não és mais nem dois nem um!

Das duas cabeças agora só havia uma e já surgiam dois semblantes em um único rosto. Aquele ser não era mais gente nem serpente. Transformara-se em um monstro nunca visto. E a imagem deturpada assim se foi, num passo lento.

Vi então correndo como lagartixa, na direção de um dos dois ladrões restantes, uma cobrinha preta. Ela veio e afundou os dentes em um deles, atravessando-lhe o umbigo. Depois caiu e se estendeu diante dele. O ladrão nada falava. Permanecia em pé como em transe, olhando para o réptil que o olhava. Pelo focinho de um e pela ferida do outro saía fumaça. Os dois começaram então a se transformar. A serpente aos poucos adquiria feições que sumiam no condenado, numa troca perfeitamente simétrica.
Almas se transformadas em répteis - Ilustração Giovanni Stradano
Assim que a cauda dela se dividia em duas partes, as pernas do pecador se uniam, e se fundiam perfeitamente. A pele dele se tornava cada vez mais dura, se cobrindo de escamas, enquanto a dela se tornava macia. Os seus braços entravam pelas axilas enquanto que na fera, duas patas cresciam. Pouco depois, um tombou e começou a rastejar enquanto o outro se levantou. O que estava em pé ainda não tinha orelhas e exibia uma língua de serpente, mas logo suas orelhas começaram a nascer e sua língua se uniu, perfeitamente.

A língua do que estava no chão se dividiu em duas partes e ele recolheu as orelhas como uma lesma recolhe seus chifres. Quando a fumaça finalmente cessou, o réptil de quatro patas, recém formado, partiu assobiando, fugindo do vale para as encostas. O outro seguia a fera, andando e falando. Mas antes de partir, ele se virou e falou para aquele que não havia se transformado:

- Quero agora que Buoso corra com as quatro patas, como eu fiz.

E apesar dos meus olhos confusos e minha mente desorientada, não deixei de reconhecer os dois que ficaram. Um, era Puccio Sciancato, o único que não se transformara, e o outro era aquele por quem Gaville chora.
**************************************

No Canto XXVI veremos a vala dos maus conselheiros.
Vicente Almeida
30/05/2014

Um comentário:

  1. É...

    Sobre alguns personagens deste canto

    Os pecadores que neste Canto se transformam em répteis, são nobres florentinos. Mais uma vez Dante usa seus conterrâneos para ilustrar seu poema.

    Segundo Dorothy Sayers, a alegoria deste Canto, é explicada da seguinte forma:

    Como normalmente os ladrões não fazem distinção entre o meu e o seu, não podem considerar suas formas e suas personalidades como propriedade sua. Em virtude disto, as almas envolvidas pelos répteis se transformam em répteis e vice verso. E assim sucessivamente. É uma troca eterna de formas.
    **************************************************************

    Mais uma vez queremos destacar a maneira como Dante distribuía as almas dos pecadores pelos labirintos do inferno, que em seu poema ele dividia em círculos e subdividia em valas.

    Conforme os Cantos, já nos aproximamos do centro da terra e final da nossa jornada infernal, na companhia de Dante Alighieri e seu guia Virgílio...

    As reticências (...) são os três primeiros passos do pensamento que continua o seu caminho por conta própria. Mário Quintana.

    ResponderExcluir