OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

quinta-feira, 26 de julho de 2012

O ESPÍRITO DA COISA - Por Vicente Almeida

O QUE SGINIFICA COISA?

Hoje amanheci com vontade de mostrar as "coisas" que já aprendi. Por isto vamos falar de uma “COISA” diferente e instigante: A palavra "COISA."

Antecipo que não se trata de uma aula de Português, História ou Geografia, embora pareça.

Se você for observador, já percebeu que o termo "COISA" está entrelaçado em nossa linguagem sendo infinitas as situações em que é utilizada. A orígem desta palavra remonta ao início dos tempos.

Em nossa gramática, a palavra "coisa" funciona como o Bombril do idioma português tem mil e uma utilidades. É aquela palavra-chave, a qual a gente recorre sempre que nos faltam outras expressões para exprimir uma ideia. hora é substantivo, hora advérbio ou adjetivo. Numa hora é masculino, em outra é feminino.

Às vezes funciona até como verbo, segundo o Dicionário Houaiss que registra a forma "coisificar". Mas o “Aurélio” registra “coisas” como sinônimo de órgãos genitais. “Coisa” às vezes é um termo depreciativo levando o ser a insignificância absoluta na boca dos exagerados, "coisa" nenhuma" vira "coisíssima alguma."

No Nordeste brasileiro podemos identificar em uma única frase, várias situações gramaticais de "coisa": "Ô seu "coisinha", você já "coisou" aquela "coisa" que eu mandei você "coisar?"

O Nordestino também identifica “coisas” como órgãos genitais. Assim descreve o Paraibano José Lins do Rego em seu romance “Riacho Doce” “E deixava-se possuir pelo amante, que lhe beijava os pés, "as coisas", os seios...”

Na Paraíba e em Pernambuco, "coisa" é também identificação de cigarro de maconha. Em Olinda há o bloco carnavalesco mirim denominado: “Segura a "Coisinha.”

CURIOSIDADE: Em Minas Gerais, todas as "coisas" são chamadas de trem. Menos o trem, que lá é chamado de "a coisa". Quer ver? A mãe está com a filha na estação, o trem se aproxima e ela diz: "Minha filha, pega os trem que lá vem “a coisa!”

Em São Paulo temos Silvio Santos e o seu o Show de Calouros: “Coisa Nossa.”

Coisa não tem sexo: pode ser masculino ou feminino. "Coisa"-ruim é o capeta. Segundo os homens, "coisa" boa é uma bela, elegante e inteligente mulher como a... Fátima Bernardes.

No cinema e em quadrinhos temos “O Coisa” do Quarteto Fantástico, que é um ser esquisito e todo rachado, formado de pedaços de qualquer "coisa". Seu corpo é semelhante às margens de um rio ou açude ressecados, é ainda parecido com o solo do sertão esturricado no Nordeste Brasileiro.

A MPB é um mundo recheada de "coisas:"

A "coisa", No II Festival da Música Popular Brasileira, no Teatro Record, em 1966, estava na letra das duas vencedoras: I - Disparada, - de Geraldo Vandré, interpretada por Jair Rodrigues -"Prepare seu coração / Pras "coisas" que eu vou contar"; II - A Banda, de Chico Buarque -"Pra ver a banda passar / Cantando "coisas" de amor".

Para a cantora Maria Bethânia, o diminutivo de "coisa" é uma questão de quantidade, afinal: "são tantas "coisinhas" miúdas."

para Beth Carvalho, é de carinho e intensidade "Ô "coisinha" tão bonitinha do pai."

Em garota de Ipanema, "coisa" vira gente: "Olha que "coisa" mais linda, mais cheia de graça." "Mas se ela voltar, se ela volta / Que "coisa" linda / Que "coisa" louca." São "coisas" de Jobim e de Vinicius, que sabiam muito bem das "coisas."

Na literatura universal, a "coisa" é "coisa" antiga, e vem de longe, de além-fronteiras, do tempo dos hebreus, lá no começo da história.

Oswald de Andrade escreveu a crônica "O Coisa" em 1943.
O escritor norte-americano Stephen Edwin King escreveu o romance “A Coisa.”
A francesa Simone de Beauvoir, em seu terceiro livro de memórias escreveu "A Força das "Coisas."
Michel Foucault, filósofo francês escreveu "As Palavras e as "Coisas."

Falamos que o indivíduo é cheio de "coisas", quando é chato e cheio de não-me-toques. Mas dizem tambem: Gente fina é outra "coisa."

Se falam do pobre, a chacota sempre aparece e a "coisa" está sempre preta ou feia: O pão cai, e cai com a manteiga para baixo... E na terra.

Para uns o indivíduo pode ser: "Coisa" à toa ou qualquer "coisa". Por isto em represália feroz a esse estado de "coisas", Carlos Drummond de Andrade fez uma severa crítica no poema "Eu, Etiqueta", finalizando com: Meu novo nome é "coisa". Eu sou a "coisa", "coisamente."

Se as pessoas foram feitas para ser amadas e as "coisas", para ser usadas, por que então nós amamos tanto as "coisas" e usamos tanto as pessoas?

Bote uma "coisa" na sua cabeça dizem; - As melhores "coisas" da vida, são "coisas" que o dinheiro não compra.

Esse papo já tá qualquer "coisa" pirado. Vou parar por aqui, se não, você não conseguirá raciocinar o sentido das "coisas" que falei.

Vamos, pois, colocar cada "coisa" no seu devido lugar. Uma "coisa" de cada vez é claro.

A bem da verdade, e não me xingue por isto, foi Deus quem no princípio implantou esse termo: "COISA", ao estabelecer no primeiro e grande Mandamento: "Amarás ao Senhor teu Deus sobre todas as "COISAS."

Escrito por Vicente Almeida
26/07/2012

4 comentários:

  1. Esse texto é realmente muito interessante, nós nordestinos temos uma tendência para usar essa palavra quando nos falta outra. Gostei.

    ResponderExcluir
  2. Tem gente que usa a expressão " pas grand chose" para neutralizar algo ou alguém. Coisa de francês mesmo.

    ResponderExcluir
  3. Coisa significa tanta coisa boa! coisa que coisa nenhuma explica, essa coisa pode explicar,rsrs. Muito boa essa coisa...

    ResponderExcluir
  4. Eh...

    Fátima Bitu:

    Coisa é tão importante que está inserido nos dez mandamentos "Amarás ao Senhor teu Deus sobre todas as "COISAS".

    Fátima Cordeiro:

    Coisa significa TUDO. Qualquer coisa é uma coisa.

    "Que coisa é essa que chamam de amor
    eu nunca provei
    dizem que é bom
    mais eu não sei
    Já me contaram que trás alegria
    E dores também
    Mesmo assim
    Quero amar alguém"

    Letra e música de Anísio Silva.

    VIU? Tudo é coisa!

    ResponderExcluir