OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

A DIVINA COMEDIA - INFERNO - CANTO IV - Por Vicente Almeida

CANTO IV

1º Círculo - O Limbo e o Castelo dos iluminados.

Acordei ao som de um trovão, já nas bordas abissais do fosso infernal, onde ecoam gritos infinitos. Tão escuro e nebuloso era que, por mais que eu tentasse forçar a vista ao fundo, não conseguia discernir coisa alguma.

- Desçamos ao mundo onde nada se vê. - disse Virgílio - Eu irei na frente e tu me seguirás. - e fez uma indicação para que eu o seguisse. Ele estava com uma aparência muito pálida, e por isso me assustei, hesitando por um instante.

- Como queres que eu te siga tranqüilo, se estás com medo? - perguntei.

- Não é medo. - respondeu - A piedade me clareia o rosto, por causa da angustia das gentes desamparadas que aqui sofrem. Andemos, pois temos ainda um longo caminho pela frente.

E assim ele me guiou para o primeiro círculo que rodeia o poço abissal. Naquele lugar não ouvi sons de lamentação, somente suspiros. Só havia mágoa. Como não lhe perguntei nada, o poeta resolveu me explicar que espíritos eram aqueles que eu estava vendo.

- Estes coitados não pecaram, mas não podem ir para o céu - explicou -, pois não foram batizados. Estão aqui as crianças não batizadas e aqueles que viveram antes de Cristo, como eu. Aqui não temos sofrimento, mas também não temos nenhuma esperança.

Senti pena dele enquanto falava e imaginei quanta gente de valor deveria estar suspensa para sempre nesse limbo, e então perguntei-lhe:

- Algum desses habitantes, por mérito seu ou com a ajuda de outro, pôde algum dia ir para o céu?

- Eu era novato neste lugar - respondeu Virgílio -, quando um Rei poderoso aqui desceu. Ele usava o sinal da vitória na sua coroa. Veio, e nos levou Adão, Noé, Moisés, Abraão, David, Israel, Raquel e vários outros que ele escolheu. E deves saber, antes que essas almas fossem levadas, nenhuma outra alma humana havia saído daqui e alcançado a salvação. 
Dante, Homero, Lucano, Virgílio e outras grandes figuras da Antiguidade Ilustração de Gustave Doré (século XIX).
Não paramos de caminhar enquanto ele falava, mas continuamos pela selva, digo, a selva de espíritos. Não tínhamos nos afastado muito do ponto onde eu acordei, quando vi um fogo adiante, um hemisfério de luz que iluminava as trevas. Mesmo de longe, pude perceber, que aquele lugar era habitado por gente honrosa.

- Ó mestre que honras a ciência e a arte, quem são esses, privilegiados, que vivem separados dos outros aqui? - perguntei.

- O nome honrado que ainda ressoa no teu mundo lá em cima, encontra a graça no céu que o favorece aqui.

Mal ele terminara de falar, ouvi um chamado que partiu de um dos vultos iluminados:

- Saudemos o altíssimo poeta. - gritou a alma - Sua sombra que havia partido já está de volta!

Depois que a voz se calou, vi quatro grandes vultos se aproximarem. Os seus rostos não mostravam tristeza, mas também não mostravam alegria. Virgílio os apresentou:

- Este é Homero, poeta soberano, o outro é Horácio, o satírico, Ovídio é o terceiro e por último, Lucano.

Quando chegamos até eles, o mestre falou-lhes em particular e depois eles me saudaram, tratando-me com deferência, incluindo-me como o sexto do seu grupo.

Prosseguimos, então, os seis, até finalmente chegarmos ao local de onde emanava a luz. Lá se erguia um nobre castelo de muros altos, cercado por um belo riacho. Sete muros o cercavam. Nós passamos sobre o riacho como se fosse terra dura, depois, sete portões atravessamos até chegarmos a um verde prado, onde muitas outras pessoas conversavam.

De lá mudamos para um local aberto, luminoso e alto, onde podíamos ter uma visão completa de todos. Reconheci várias grandes figuras como Enéas, Heitor e César, Aristóteles, Sócrates e Platão, Orfeu, Heráclito, Tales, Zenão, Ptolomeu e muitos outros.

Exaltou-me a possibilidade de poder encontrar todos esses espíritos, cuja sabedoria enchia de luz aquele lugar sombrio. Havia mais. Muitos. Tantos eram, que não posso aqui listar todos.
Vicente Almeida
20/12/2013

Um comentário:

  1. É...

    PERSONAGENS MENCIONADAS POR DANTE E QUE ESTAVAM NO LIMBO

    O Limbo é o local onde as almas que não puderam escolher Cristo, mas escolheram a virtude, vivem a vida que imaginaram ter após a morte.

    Não têm a esperança de ir ao céu pois não tiveram fé em Cristo.

    Aqui ficam os não batizados e os pagãos, aqueles que nasceram antes de Cristo, como Virgílio.

    Na mitologia clássica, o Limbo não fica no inferno, mas suspenso entre o céu e o mundo dos mortos.

    Na poesia de Dante, não se tem uma noção precisa de como se chega lá, pois o poeta desmaia no vestíbulo ou ante-inferno, e quando acorda já está no Limbo.

    Nem todos os personagens que ele cita no Canto IV são reais, uns fazem parte da mitologia, como: Orfeu, da mitologia grega e Enéias, da mitologia romana.

    Os vultos do Antigo Testamento: Adão, Noé, Moisés, Abraão, David, Israel e Raquel, segundo Dante, foram levados para o céu quando Cristo desceu ao inferno após a crucificação.

    Vicente Almeida

    As pessoas citadas, em vida todos tiveram poder de decisão, eram cultas, virtuosas e harmoniosas, só faziam o bem. Eram filósofos,escritores, matemáticos, etc.

    Em seu poema e tentando retratar a verdade da época, Dante os colocou no LIMBO, por que dogmas católicos, naquele tempo eram tidos como ponto fundamental e indiscutível da doutrina cristã, e determinavam que os pagãos não iam para o céu.

    A Igreja assim procedeu para intimidar e atrair para suas fileiras o povo pagão.

    Já os não batizados, após a vinda de Cristo, tinham suas almas rejeitadas no Céu por que não haviam recebido o sinal da cruz.

    Até meados do século XX, toda criança que morresse sem ser batizado nem si quer era enterrado no cemitério.

    Era tudo uma questão dogmática, e a igreja cristão não admitia discussão.

    ResponderExcluir