OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

O MENDIGO - Por Vicente Almeida

NÃO VEJA A TUA MÃO ESQUERDA
O QUE FAZ A TUA DIREITA

Certa vez, um jovem barbeiro, de uma pequena cidade, aparentando uns trinta anos de idade, costumava abrir a porta da sua barbearia e lá se deparar com um mendigo.

Aquilo virou rotina, todo dia lá estava ele, cabeludo e muito barbado parecia um homem de 80 anos.

Penalizado, o barbeiro resolveu aliviá-lo daquele estado e um dia, convidou o mendigo a sentar-se em sua cadeira.

Cortou seu cabelo, fez a sua barba, perfumou-o e apareceu um jovem de idade não superior a 25 anos, e de belas feições.

Talvez por respeito, não lhe perguntou o que o levou aquela situação nem procurou saber seu nome, e ainda lhe deu algumas moedas e uma velha roupa dizendo, "Isto é para você dar novo rumo a sua vida". E esqueceu completamente o episódio, por que no dia seguinte, não viu mais o mendigo em sua porta.

O Barbeiro continuou a vida. Passaram-se os anos, dez, vinte, trinta, quarenta anos e nunca mais se ouviu falar do mendigo.

Após quarenta e cinco anos, o barbeiro recebeu uma notificação para comparecer diante de um juiz em data e dia ali especificados.

E lá foi ele, tremendo de medo, passando pela sua cabeça um turbilhão de interrogações! Meu Deus, o que fiz? Sempre fui correto, nunca enganei ninguém, só ajudei. Por que agora aos setenta e cinco anos, um juiz me intima?

Chegando ao tribunal, tremulo e apreensivo, apresentou-se ao Juiz que o havia notificado e o Sr. Juiz o interrogou: - O Senhor é fulano de tal, barbeiro há quarenta e cinco anos na rua tal, numero tal? - Sim Senhor Juiz, sou eu.

E tremendo perguntou: de que me acusam? Não lembro de haver feito mal a alguém em toda a minha vida!

O Juiz observando seu olhar sereno, mas apreensivo, assim exclamou:

- De nada o acusam meu bom homem, aqui chegou um testamento de um senhor muito rico, falecido em um lugar distante, que o indicou como seu herdeiro, e o senhor receberá o equivalente a cinqüenta por cento da sua fortuna.

- Há uma coisa porém que me intriga, não entendi, disse o Juiz: Aqui está escrito, que se o Senhor não mais existisse, entregasse essa fortuna para sua família. Mas se comparecesse, ele pede aqui no testamento para informá-lo que: seu conselho o salvou, que ele deu novo rumo a sua vida, e suas moedas se multiplicaram aos milhões, ele foi muito feliz e nunca o esqueceu.

Escrito por Vicente Almeida
09/08/2012

Nenhum comentário:

Postar um comentário