OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

O FIM DO MUNDO - Por Vicente Almeida

PONDERAÇÕES

O que entendemos por fim do mundo?
I - A destruição do planeta?
II - Somente a eliminação da vida animal e vegetal?
III - Somente a destruição do Gênero Humano, segundo as profecias?

Se alguém for capaz de responder a um só desses itens, ainda restarão muitas dúvidas sobre o fim.

muita especulação contraditória sobre as profecias do fim do mundo, e nenhum livro conhecido explica se essas profecias se referem à destruição do planeta, ou a extinção da vida. Se é o fim do gênero humano, de uma civilização, ou de todos os seres vivos.

Pura especulação. Os editores faturam milhões à custa dos assustados e incautos habitantes deste planeta. Nenhuma profecia explica nada, mas complica tudo, e após a ocorrência de alguns fatos marcantes na história, surgem os interpretadores montando um quebra-cabeça de tal forma a enquadrar aquela ocorrência em uma interpretação profética.

Vamos tentar entender!

Para a realização de uma profecia seria necessário que, partindo de determinada época, o visionário tivesse em mãos o conhecimento do passado e presente da humanidade, bem como a posição dos astros, e ainda quais implicariam em riscos catastróficos para nosso planeta.

Fundamentado nas informações daquele momento seria possível visualizar como resultado uma situação no futuro, desde que houvesse uma sequencia lógica, segundo os dados em mãos.

Mas o futuro é um livro em branco, e será preenchido no decorrer do tempo, milênios de milênios de milênios...

Uma ocorrência futura depende de muitos fatores, ainda desconhecidos e que contribuirão decisivamente para a realização de um fato. Como poderíamos dizer na linguagem popular: Uma coisa pucha a outra".

Simbolicamente vamos imaginar que:


Um homem está no topo de uma montanha com um binóculo. Olhando abaixo observa uma estrada muito estreita com uma curva tão acentuada que se dobra quase em "L".


Pois bem, ele observa também que de cada lado segue um veículo em alta velocidade em direção à curva, e a mata não permite que os condutores vejam o veículo que vem em sua direção. Segundo os cálculos do observador, eles baterão um no outro exatamente no encontro da curva. Do topo da montanha, o homem fica aflito ao ver o iminente desastre sem nada poder fazer.


Isto poderia ser uma profecia catastrófica com absoluta precisão, se fatores externos não surgisse inesperadamente. Que tal os reflexos dos motoristas e os freios?


Neste momento vivemos uma situação inusitada. Pretensos e científicos profetas querendo interpretar informações da civilização maia como uma profecia catastrófica.

Pode até não ser uma profecia, mas um simples calendário de datas significativas para eles - os maias.

Os profetas Bíblicos tinham atuações localizadas. Eram homens sábios e tratavam basicamente da saga do povo judeu. Alguns eram conselheiros reais, isto é; sempre notificavam ao rei do que iria acontecer em pouco tempo, as vezes em menos de cinco anos segundo suas previsões intuitivas.
(***
"Intuição" é uma visão ou informação ditada a nossa mente, normalmente durante o repouso do corpo ou durante o sono, e ao acordar estamos conscientes da informação recebida.
***)
Dois profetas se destacaram pela intuição de que no futuro nasceria um salvador o qual guiaria o povo em segurança e o seu reino não teria fim. Pensavam os Judeus que seria um guerreiro e venceria todas as batalhas pondo por terra todos os reinados.

Os profetas não especificaram com precisão a data em que o Salvador nasceria, por isto os judeus esperaram mais de mil anos e quando chegou, manso e humilde de coração, não acreditaram nele e o sacrificaram.

Escrito por Vicente Almeida
08/8/2012

2 comentários:

  1. Vicente, todos os dias eu repito: "Senhor, eu creio, mas aumenta a minha fé!"
    Fim do mundo? De que mundo?! Né?
    Há mundos e submundos...
    Um abraço.

    ResponderExcluir
  2. Eh...

    Pois é Artemísia (Antônia):

    Quanta baboseira escrevem sobre o fim do mundo, e nós os patos caimos direitinho.

    Mas não nego que eu também sofri quando mais jovem e comprava todos os livros que falassem sobre "O Fim do Mundo". Ainda os tenho, talvez uns 6 ou 8 esquecidos na minha biblioteca de quase dois mil volumes.

    Nostra Damus - Omar Cardoso e tantos outros e tantos outros, com profecias sobre quase tudo desde que finalizasse com catástrofes que sinalizasse o fim do mundo. Eusinho acreditava em tudo ficava ansioso.

    Mas agora que fiquei sex-agenário, a minha experiência de vida me permite contestar e demonstrar a impossibilidade dessas profecias.

    ResponderExcluir