OBRIGADO PELA VISITA

O LABORATÓRIO SIDERAL leva até você, somente POSTAGENS de cunho cultural e educativo, que trata do universo; das gentes; das lendas; das religiões e seus mitos, e de forma especial, dos grandes mistérios que envolvem nosso passado. Contém também muitos textos para sua meditação. Tarefa difícil, mas atraente. Neste Blog não há bloqueio para comentários sobre qualquer postagem.

A FOTO ACIMA É A VISÃO QUE TEMOS DA CHAPADA DO ARARIPE, A PARTIR DA NOSSA "VILA ENCANTADA".

domingo, 16 de setembro de 2012

NO TEMPO DOS CORONÉIS - Por Vicente Almeida


AMOR DE MÃE NÃO SE DISCUTE

Vai longe o tempo em que os homens mereciam o devido respeito. Quando um chefe de família passava uma ordem, não se discutia, cumpria-se sem questionamentos.

Naquele tempo vivia um abastado senhor, pai de muitos filhos homens e mulheres, que ao ficarem rapazes e moças cada um foi casando e constituindo família. Após certo tempo restava apenas a filha caçula.

A mais jovem da prole era uma moça muito prendada, mais o destino achou por bem pregar-lhe uma peça e ela se enamorou de um rapaz de índole depreciável. Era um malfeitor.

Tudo a família fez para debelar suas intenções de criar vínculos com aquele rapaz, por que consideravam uma temeridade o namoro dela com alguém sem princípios, podendo trazer sérios transtornos para toda a família.

Mas a moça não se intimidou e continuou namorando o rapaz a despeito das ameaças paternas e dos conselhos de seus irmãos.

Certo dia o rapaz que nada tinha a perder mandou um recado dizendo que ia buscá-la em sua casa e ninguém devia ser meter. O pai, sabedor do recado chamou a filha e disse:

- Filha minha, se tu quer mesmo viver com aquele moço vá embora daqui antes que aconteça uma grande desgraça para todos. E quando sair, ao desaparecer naquela curva faça de conta que não existimos mais. Esqueça todos nós, que nós vamos esquecer você.

A moça cuja paixão era incontrolável resolveu ir embora com o rapaz e casou com ele.

O tempo foi passando e os problemas dela começaram a surgir. Ela teve filhos e a fome foi sua primeira visita, pois o rapaz não era de trabalhar pela família. Finalmente ficaram em situação miserável chegando ao conhecimento da sua mãe.

Então a mãe, sensibilizada passou a lhe enviar periodicamente os mantimentos necessários a sua sobrevivência com os filhos, sem que o pai e irmãos tomassem qualquer conhecimento dessa remessa. Ela tinha sempre a cautela de preparar uma caixa e chamar um trabalhador, dando-lhe a missão de fazer aquela encomenda chegar ao destino, e isto se deu durante muito tempo.

Um dia, porém, o pai chegou em casa e surpreendeu a mulher preparando uma caixa de mantimentos. Estranhando o fato perguntou mulher o que é isto? Para quem é?

Ela que não queria nem pretendia mentir, apenas evitava bater de frente com o marido, assim respondeu:

- Esta caixa de alimentos é para nossa filha, que há muito tempo vem passando necessidades, e sempre lhe envio parte do que temos em abundância.

O marido achou aquilo o maior desacato de sua vida, pois havia passado ordem para ninguém em momento algum fazer contato com ela e principalmente ajudá-la. Segundo ele, a filha havia selado o seu destino, feito a sua escolha quando abandonou a segurança do lar. Ela que vivesse suas amarguras.

A mulher então deixou que seu marido falasse tudo que queria e que o desagradava tanto. Ela o escutava com toda a atenção, como uma boa esposa, sem nada dizer. Ali naquele momento estava exercendo o papel da mulher que não desmerece o marido.

Finalmente ele disse - Você está ajudando uma estranha! E se calou!

A mulher então falou:

- Todo dia cedinho vejo você tocando as vacas para a roça deixando os bezerrinhos presos no cercado. Fico aqui na minha janela olhando, tempos depois observo que eles começam a berrar. De vez em quando vem uma delas lamber a sua cria em sinal de proteção e quando ela retorna ao pasto, o bezerrinho fica calmo e não berra mais...

...No entanto, nunca vi o touro e pai vir lamber ou acariciar um SÓ deles!?!

E concluiu:

- E digo para você senhor meu marido, que o que estou fazendo é a mais natural atitude de um coração materno. Amor de mãe não respeita barreiras.

O marido que já havia silenciado, nada mais falou! Quando a caixa de mantimentos ia saindo, ele disse:

- Escolhe o melhor queijo e manda pra ela!

Escrito por Vicente Almeida
16/09/2012

3 comentários:

  1. E...

    Este conto é baseado em uma história real ocorrida no século passado, aqui na Região do Cariri. Muitos remanescentes da família conhece este fato.

    Que é uma grande lição de amor materno, isto é! Mas não é privativo do tempo dos coronéis, ainda hoje encontramos mães como esta do conto.

    ResponderExcluir
  2. Vicente!!!!!! que linda historia de amor, não só materna: o pai superou todos os seus preconceitos, e provou que sua alma era por demais generosa. Fatima Bezerra Cordeiro.

    ResponderExcluir
  3. Eh...

    FÁTIMA:

    Os corações sensíveis, por mais grosseiros que aparentem, nos últimos instantes restabelecem sua paz interior.

    ResponderExcluir